29/03/2016

[Sol] Gangue de Sintra pode ser o mesmo que matou na A16

Um gangue de quatro homens tem estado a fazer diversos assaltos na linha de Sintra, ameaçando funcionários e clientes de estabelecimentos comerciais com caçadeiras. Segundo o SOL apurou, a polícia ainda não conseguiu identificar os homens, não descartando a hipótese de ser o mesmo grupo que, no final de fevereiro, assaltou uma carinha de valores em Lourel e matou um homem durante a fuga.
Fonte da PSP que preferiu não ser identificada explica que o gangue assaltou nos últimos dias duas farmácias, uma na Abrunheira e outra no Casal do Cotão. O terceiro assalto foi feito a um supermercado em Mem Martins. O SOL sabe que os assaltantes têm usado sempre o mesmo Honda Civic, com matrículas roubadas.
«Até hoje ainda não fizeram vítimas nestes espaços», explicou a mesma fonte da PSP. Depois do assalto, os quatro homens colocam-se em fuga no carro em que chegaram ao local do crime.
«Não se exclui para já a hipótese de serem os mesmos que assaltaram a carrinha de valores à porta daquele supermercado de Lourel», assegura a mesma fonte.
A Polícia Judiciária não localizou até hoje os assaltantes da carrinha de valores e a investigação a estes últimos assaltos foi também já entregue a esta polícia, uma vez que o gangue atua com armas de fogo.

Assalto à carrinha de valores
No final do último mês, um gangue atravessou uma carrinha Audi à frente de uma carro de valores que estava a carregar um multibanco. De seguida os homens – todos encapuzados e ainda não localizados – puseram-se em fuga num Audi A3 de vidros fumados.
O veículo, que seguia em alta velocidade, acabou por se despistar junto à autoestrada A16 e os assaltantes, dada a impossibilidade de continuarem a fuga com o carro sinistrado, deslocaram-se até àquela via rápida e começaram a disparar contra os condutores que seguiam na estrada, para que estes parassem e lhes cedessem o carro. Terão conseguido roubar um Citroën C3. Antes, tinham já disparado sobre um Mercedes, atingindo o condutor na perna.
A vítima (que acabou por morrer), João Carlos de 50 anos, ainda conseguiu conduzir mais um quilómetro até que perdeu as forças e decidiu pedir ajuda, junto às portagens de Algueirão-Mem Martins. Viajava com a sua mulher e a filha de sete anos.
O empresário do ramo imobiliário ainda foi socorrido no local mas acabou por morrer antes de chegar ao Hospital de São Francisco Xavier.
Desde que foi confirmado que um homem foi baleado, a investigação passou para a Polícia Judiciária. Os inspetores apreenderam na altura o Audi A3 que foi usado na fuga do assalto e a viatura que serviu para bloquear a carrinha de valores.

A investigação terá sido dificultada, nomeadamente no que refere à recolha de prova, pelo cuidado acrescido com que os assaltantes atuaram. Um dos exemplos foi o uso de luvas, que impossibilitou a recolha de impressões digitais.

Sem comentários:

Enviar um comentário