06/08/2010

Mem Martins Poente - Problemas perto do fim?

Informação retirada do Blog "http://memmartinspoente.blogspot.com/", sobre a reunião que a comissão de moradores manteve com a Câmara Municipal de Sintra


Resumo da reunião
Teve lugar no passado dia 19 uma reunião de uma delegação da Comissão de Moradores da Urbanização de Mem Martins Poente, composta por Isabel Quintas, José Carlos Fernandes, Jorge Teles, Paulo Simões e Álvaro Correia Pinto, com o Sr. Director de Urbanismo da Câmara Municipal de Sintra, a qual tinha como objectivo fazer o ponto da situação sobre os problemas da Urbanização.
Conforme informação prestada pelo Sr. Eng. Vitor Ferreira os problemas registrais da Urbanização estão em vias de resolução, pelo que se prevê que no próximo mês de Setembro a Câmara Municipal de Sintra receba a Urbanização.


 Foi-nos confirmado que o terreno para a construção da Igreja fica localizado no espaço fora da Urbanização nos terrenos localizados na Rua Artur Bual.

O projecto para os terrenos envolventes da Urbanização, nomeadamente os previstos para campos de ténis, está em elaboração nos respectivos serviços camarários. Foi solicitado pelos membros da Comissão de Moradores que os serviços camarários procedam à limpeza destes terrenos, face ao estado lastimável em que os mesmos se encontram, sendo até um perigo para a saúde pública. Foi-nos prometido que esta limpeza seria efectuada logo que possível.

 A eventual construção do parque de estacionamento nos terrenos previamente destinados à Igreja, embora tenha tido bom acolhimento por parte dos responsáveis da autarquia, não será possível com brevidade, dados os constrangimentos financeiros em que vivemos.

 Foi, mais uma vez pedido pelos representantes da Comissão de Moradores que este terreno seja vedado, dado que o estado em que se encontra põe em causa a segurança dos transeuntes que circulam na Urbanização.

Foi, também de novo, solicitada a abertura da circulação dentro da Urbanização dado que as obras do prédio do lote 7, parecem estar quase concluídas.

Assim ficou decidido, que no próximo mês de Setembro entraremos em contacto com o Sr. Eng. Vitor Ferreira, para fazermos o ponto da situação sobre a recepção da Urbanização pela Câmara.
Quanto à limpeza dos terrenos e dado que já passaram duas semanas sem qualquer alteração da situação, vais ser, nesta data, enviada uma mensagem ao Eng. Vitor Ferreira para relembrar este problema.

Eu volto a repetir... está urbanização é o melhor exemplo, que tem de existir muito cuidado e atenção quando se compra uma casa... a palavra dos vendedores vale... zero ou muito pouco...  eu visitei estes apartamento, ali tudo de bom ia ser feito... campos de ténis, espaços verdes...

e em troca de um terreno para construção de uma Igreja, a Câmara Municipal fechou os olhos às boas regras da arquitectura e urbanismo, permitindo construções desenquadradas, desorganizadas e sem nenhuma mais valia para os seus habitantes... Ruas estreitas sem saída? falta de estacionamento?

E se algum dia existir um incêndio grave nestes prédios, gostava de saber quem será responsabilizado... não há acessos, nem espaços para bombeiros, entre muitos outros problemas facilmente identificados com uma simples visita ao local.

1 comentário:

  1. Ainda hoje por lá passei. De facto é uma vergonha este empreendimento. Não respeita cércias, não respeita nada. Podem até ter garagens, mas esquecem-se que cada família hoje em dia tem, na generalidade dos casos, 2 carros. Ora, não há dinheiro para pagar 2 lugares de estacionamento na garagem, mas também não há soluções no exterior. As vias de acesso são uma piada, as zonas de inversão de marcha estão, compreensivelmente, ocupadas de carros estacionados. Dizer que os projectos estão entregues aos serviços camarários é o mesmo que dizer que só a próxima geração é que irá usufruir desses tais espaços de lazer. E devo dizer que projectar para o umbigo deve fazer um bem desgraçado ao ego, mas quem vive nessa caixa de ovos é que sofre. Os acessos aos edifícios são uma piada. Sempre que projectar algo, vou lembrar-me desta urbanização, sobre como não se deve fazer arquitectura/urbanismo.

    ResponderEliminar