20/06/2011

[Publico] A Tapada das Mercês é um dormitório, é um subúrbio, mas é também uma festa

Noticia 'Jornal Publico'

Nesta babel do concelho de Sintra, toda a gente saiu à rua, durante dois dias, para festejar a multiculturalidade e mostrar que a vida entre o betão também se pode expressar pela cultura

A Tapada das Mercês está num prédio feito de papelão - como as torres deste bairro da Linha de Sintra, que parecem enormes caixas de gavetinhas com gente dentro. Dentro desta caixa também há histórias, de seis famílias, cada qual com sua nacionalidade - abrimos cada janelinha para as descobrir. "Dantes a Tapada era um dormitório. Agora é muito activa e já sou eu que não tenho tempo para participar em todas as iniciativas", escreveu uma mãe cabo-verdiana que vive aqui com as quatro filhas.


Uma das muitas iniciativas que têm tentado dar outra vida a este bairro-dormitório é o Tapada em Festa, organizada pelo (i)Nova Tapada, que congrega várias associações e grupos de trabalho informal a trabalhar neste território. O evento, entre sábado e domingo, levou centenas de pessoas ao parque de estacionamento do centro comercial Floresta Center. A organização fala em pelo menos 1500 pessoas por dia nesta segunda edição.

Primeiro, toda a festa parece mais uma daquelas de bairro - até porque Junho é tempo de festas. Depois, vê-se que é muito mais do que isso. Surgiu como resposta ao desejo dos moradores de uma oferta cultural no seu bairro. "Tem como objectivos a valorização do território, a participação das pessoas e a valorização da diversidade", diz Sérgio Xavier, presidente da associação Dínamo.

De 23 nacionalidades
Do palco vai saindo música que não é a que se ouvirá mais tarde, quando todos estiverem a postos para as actuações - quase todas de grupos da Tapada.

Enquanto se tenta que os espectáculos não atrasem mais, começa o Teatro Fórum da Dínamo, com uma peça sobre discriminação. Explicando: assiste-se a uma peça, que depois é repetida. Mas da segunda vez quem não gostar do que vê pode dizer "stop" e passar da plateia ao palco, reescrever a história como quiser. Esta é de "pretos" e de "brancos", de discriminação, de problemas que serão frequentes nesta babel que é a Tapada. Instalou-se aqui gente de muitos lugares, de 23 países e 37,3 por cento dos moradores nasceram fora de Portugal, de acordo com um estudo de 2010, do programa de desenvolvimento comunitário urbano K"Cidade.

Lá fora, vende-se artesanato e pratos tradicionais das nacionalidades mais populares entre os moradores. Neste parque de estacionamento cheira a Angola, a Guiné, também a Cabo Verde e Brasil. Também a Portugal, porque esta festa é a celebração da multiculturalidade da Tapada. Há tendas de diversas associações, de vários grupos informais que trabalham neste território e há workshops com as crianças.

Uma oportunidade
Na livraria Plantier, no centro comercial, Yerobah, de 23 anos, vai lendo uma história que escreveu, palavra a palavra, com prudência, não se vá enganar em público. Há um ano não sabia ler, quanto mais escrever - na Guiné-Conacri, o seu país, pôde estudar apenas um ano. Agora enche o peito de orgulho, em frente a quem assiste a esta sessão de leitura. Os alunos das aulas de alfabetização da escola Visconde de Juromenha quiseram mostrar o que têm aprendido e com a leitura de histórias da sua vida e da sua terra. Ele e Arlindo Indi, de 31 anos, da Guiné-Bissau, que segura, orgulhoso, um texto escrito a maiúsculas numa folha A4.

Na Tapada das Mercês existem muitos problemas, sociais e também urbanísticos. Mas isto "acaba por ser uma oportunidade para a Tapada poder fazer coisas que os outros não fazem", conclui Nuno Azevedo, da associação de pais da Escola das Bandeirinhas.

Há também uma riqueza: a diversidade que se promove no Tapada em Festa. Porque a Tapada não é só feita de "prédios muito altos", de "ruas muito estreitas", como escrevia uma família portuguesa que se apresentava no prédio de cartão. Não é só feita de problemas. A Tapada é um bairro-dormitório, é uma babel-subúrbio. Mas durante dois dias pôde ser também uma festa.

18/06/2011

Primeira Pedra da Nova Igreja de Nª Srª da Natividade de Mem Martins

A bênção da Primeira Pedra da Nova Igreja de Nª Srª da Natividade de Mem Martins, irá decorrer no dia 19 de Junho (Domingo), com o seguinte programa: 
16h - Procissão, que sairá da Capela de Nª Srª da Natividade, em direcção ao terreno da nova igreja.
17h - Eucaristia no terreno da Nova Igreja -Bênção da Primeira Pedra

19h30 - Jantar/Convívio (Escola B 2,3 Ferreira de Castro) 


O espaço de culto interior quadrangular da Igreja contém: zona de culto para 410 lugares sentados (podendo aumentar com lugares de pé); capela do SS.MO, e Baptistério.

O Centro Pastoral dispõe de um espaço amplo de entrada com acesso aos diversos serviços, zona de estar e cafetaria, por um núcleo de direcção, um salão polivalente e um núcleo de ensino e formação. O salão polivalente, para conferências, festas e outros espectáculos, tem 245 lugares sentados e mais 4 lugares para pessoas com mobilidade condicionada, num total de 249 lugares. O núcleo de formação é composto por 8 salas de catequese, 4 salas de catecumenado, uma mediateca, uma secretaria, um depósito de material. Existem ainda 2 capelas mortuárias, cada uma delas com capacidade para 36 lugares sentados.

O Centro Pastoral, para além da sua vertente de formação da comunidade cristã estará vocacionada para acolher actividades diversas de acção social e cultural e recreativa que venham a revelar-se úteis à localidade de Mem Martins e à freguesia em geral.

O terreno da nova Igreja tem uma área de 5719m2, tendo sido objecto de permuta por um outro entre a Câmara Municipal e a Fábrica da Igreja Paroquial de S. José do Algueirão. Possui uma área bruta de construção de 3031.32 m2.

No meu ponto de vista, é pena uma freguesia desta dimensão nunca ter guardado um espaço digno e central para uma igreja, aliás, a igreja sofre do mesmo problema que o mercado já sofreu. Isto é apenas resultado do mau urbanismo e do mau planeamento. Constrói-se no que sobrou da ganância do betão...
É inequívoco que este equipamento faz falta há muitos anos à nossa terra, mas é pena, o triste cenário urbano que envolve este terreno. Será esta a imagem que vamos guardar de um casal de noivos a chegar à nossa nova igreja?


É uma pena as coisas em Algueirão Mem Martins chegarem quase sempre atrasadas, em sítios remediados, mas vamos aguardar por esta obra, e começar a contar os dias para conseguir ver tudo pronto... Quando estará pronta? 5 anos? 10 anos? 15 anos??? MAIS VALE TARDE DO QUE NUNCA...

12/06/2011

Abertura dia 17 de Junho - Matrizauto Sintra


Abre dia 17 de Junho, no nó de Mem Martins, a Matrizauto, o Shopping dos carros.
Abre assim o primeiro espaço a Sul, alargando o leque às lojas da zona industrial do Porto e de Braga.


07/06/2011

[Jornal i] Tiroteio e incêndio no Bairro da Coopalme

Um diferendo durante a madrugada de hoje entre dois grupos em Algueirão-Mem Martins, Sintra, acabou em tiroteio e com um incêndio de uma habitação,disse à Lusa fonte da PSP.

Segundo a mesma fonte, o tiroteio que ocorreu no bairro da Coopalme, em Mem Martins, envolveu dois grupos de diferentes etnias, não havendo feridos a registar.

A Policia Judiciária está a investigar “se houve fogo posto”, adiantou a fonte.

Noticia Jornal i

Manuel Cabo alvo de queixa da Comissão Nacional de Eleições

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) vai apresentar queixa ao Ministério Público contra o líder do Partido Nacional Renovador (PNR), Luís Pinto Coelho, por declarações feitas após votar este domingo para as eleições legislativas.

A CNE entende que as declarações prestadas à agência Lusa podem ser "suscetíveis de configurar o crime previsto no artigo 141º da LEAR (Lei  Eleitoral para a Assembleia da República".   

Igual deliberação foi tomada contra o candidato do PCTP-MRPP, Garcia Pereira.  

Em ambas as situações, a Lusa foi notificada para "retirar, de imediato, do site www.lusa.pt" as declarações dos dois responsáveis partidários.   

O artigo em causa refere-se a "Propaganda depois de encerrada a campanha eleitoral" e que as penas a aplicar poderão ser multas ou pena de prisão  até seis meses. "Aquele que no dia da eleição ou no anterior fizer propaganda eleitoral  por qualquer meio será punido com prisão até seis meses e multa de 500$  [2,5 euros] a 5.000$ [25 euros]", lê-se no número um do artigo.   

"Aquele que no dia da eleição fizer propaganda nas assembleias de voto ou nas suas imediações até 500 metros será punido com prisão até seis meses e multa de 1.000$ [5 euros] 10.000$ [50 euros]", acrescenta o número dois do mesmo artigo da lei eleitoral.   

Também o presidente da junta de freguesia de Algueirão-Mem-Martins, a maior do País, Manuel Cabo, será alvo de uma queixa da CNE ao Ministério Público por alegada violação do mesmo artigo da lei eleitoral, informou à Lusa o porta-voz da CNE, Godinho Matos.   

Noticia Correio da Manhã 

Aqui em baixo deixo o link com o motivo da queixa, as palavras ditas ao jornal Publico durante as eleições
http://www.publico.pt/Pol%C3%ADtica/algueiraomemmartins-a-maior-freguesia-do-pais-acorda-cedo-para-votar_1497555

05/06/2011

Resultados em Algueirão Mem Martins - Legislativas 2011

Aqui apresento os resultados da Freguesia de Algueirão - Mem Martins, nas eleições legislativas de 5 de Junho.

Legislativas 2011

Em dia de eleições eu pergunto:
Qual o líder partidário que visitou Algueirão Mem Martins, a freguesia com mais eleitores de Portugal?


Ainda relativamente a esta eleições, registo a falta de informação de um funcionário da Junta Freguesia de Algueirão Mem Martins, referente ao voto antecipado - http://www.portaldoeleitor.pt/Legislativas2011/Paginas/VotoAntecipadoLegislativas2011.aspx

O que assisti, foi alguém que está a viver temporariamente em Mem Martins, e deslocou-se à Junta para saber como votar, e não sei se seria falta de informação, ou falta de vontade de informar, mas essa pessoa  apenas recebeu a sugestão, em tom jocoso, para se deslocar à Câmara Municipal de Sintra... a informação no site diz: "Mais informações podem ser obtidas junto das Juntas de Freguesia e Câmaras Municipais;"

No entanto, num local publico como é a Junta de Freguesia, já não peço um atendimento simpático, mas pelo menos educado...e também dispenso a arrogância...
 

01/06/2011

Capela de Nossa Senhora da Natividade - Mem Martins

No "Jornal da Região" da passada semana (24 a 30 Maio), vem publicada a noticia do lançamento da primeira pedra da nova Igreja de Mem Martins.

Nesta reportagem, devo registar uma situação triste por parte do Sr. Manuel do Cabo, presidente da Junta de Freguesia. Aparentemente, o nosso presidente da Junta não tem conhecimento de uma data importante para a freguesia, o ano em que foi inaugurada a Capela de Nossa Senhora da Natividade.

Na edição deste jornal, "Manuel do Cabo congratulou-se com o avanço do processo por ocasião de duas datas especiais: o 50ºaniversário da Igreja de São José no Algueirão e dos 75 anos da Capela de Nossa Senhora da Natividade

Vou relembrar o Sr. Presidente da Junta:

29/03/1931
A cerimónia de lançamento da 1ªpedra para a construção da capela de Mem Martins

03/09/1933  
Inauguração da capela de Nossa Senhora da Natividade

e agora um pouco de matemática:
2011-1933 = 78 anos (em Setembro próximo)... não são 75 anos Sr. Presidente...

 
O Presidente da Junta não sabe fazer contas? ou não conheces as datas simbólicas da freguesia?

Se ainda há dúvidas, aqui deixo a placa que se encontra no interior da capela, logo depois da porta da entrada, logo no lado direito... MCMXXXIII