Tempo em Algueirão Mem Martins

terça-feira, 16 de outubro de 2018

[RTP arquivo] Comboio da Linha de Sintra nos anos 90 [video]

Reportagem da RTP em 1991, quando a Linha Férrea de Sintra era considerada como uma das mais perigosas da Europa.... Porque seria???
[clica abaixo para aceder à reportagem]

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

[Observador] “Nasceste assim para pôr fim ao preconceito”. M7 (Beatriz Gosta) e o hip hop estão contra o ódio a minorias [video]


Para uma campanha financiada em parte pela UE, a APAV pôs frente a frente rappers e vítimas de ódio contra minorias. Nestas battles, as rimas são de incentivo. Ace e Papillon também participam.


Chamam-se #respectbattles e, ao contrário das habituais batalhas de rimas do hip hop, têm como adversário não um rapper rival mas sim a propagação do ódio. A APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima) pediu aos rappers portugueses do movimento hip hop que dirijam palavras de incentivo a vítimas de discriminação, para esta campanha de sensibilização, e o terceiro vídeo, publicado esta terça-feira, conta com a rapper M7, que acompanha Capicua em palco e que tem um alter-ego muito popular no Youtube, Beatriz Gosta.
M7, que na verdade se chama Marta Bateira, ficou responsável por proferir palavras contra a discriminação a pessoas LGBTIQ+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgénero, intersexuais, queer), no terceiro vídeo desta campanha. Nele, vê-se M7 falar com uma pessoa que simboliza as vítimas desse preconceito, dizendo-lhe “acredita em ti, em ti tudo é perfeito / nasceste assim para pôr fim ao preconceito”, “não tenhas medo porque não estás sozinha” ou “o direito à liberdade não tem sexo, credo ou cor / quem diz que é promiscuidade sabe zero de amor”.





[RTP Arquivo] Inauguração de creche em Mem Martins em 1975 [video]

Inauguração da Creche Popular em Mem Martins, em 1975,
uma iniciativa de Comissão de Moradores do Bairro de São Carlos 

Clica no link ou na foto para ver o video



sexta-feira, 12 de outubro de 2018

[Diário de Notícias] Trabalhadoras não docentes fizeram greve parcial na escola básica de Ouressa em Sintra


As trabalhadoras não docentes da Escola Básica 1 e Jardim de Infância de Ouressa, concelho de Sintra, concentraram-se hoje de manhã em frente ao estabelecimento para reivindicar mais pessoal e melhores condições de trabalho, informou fonte sindical.

A escola esteve encerrada até às 11:00 e não houve aulas", explicou à Lusa João Santos, do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas, após a greve iniciada às 07:00, com concentração de oito auxiliares em frente ao estabelecimento.

O sindicato enviou um ofício à autarquia e ao Agrupamento de Escolas Ferreira de Castro, onde está integrada a EB1/JI de Ouressa, a "denunciar várias situações que se têm vindo a degradar na escola".

"Um dos casos é a entrada da escola, que não tem fechadura e é feita com uma corrente que fecha e abre, não há campainha, no caso de uma emergência a escola não tem telefone", descreveu João Santos.

O sindicalista acrescentou que "há um pavilhão do Jardim de Infância que a porta tem de ter um cordel para não fechar, porque depois não se consegue abrir, há ratos, há uma sala para os professores, mas as auxiliares estão proibidas de usar a sala para fazer as refeições".

A situação da escola tem vindo a degradar-se "e as auxiliares já estão cansadas com a falta de resposta da câmara, do agrupamento e da coordenadora do estabelecimento", apontou João Santos.

"Os recreios têm poucas assistentes operacionais, porque saíram duas e não foram substituídas, é preciso pelo menos repor as duas que faltam, e o Jardim de Infância tem uma sala em que falta uma auxiliar, o que é mais grave", salientou.

O representante do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas admitiu que será preciso "intensificar a luta", perante a degradação da situação, estando prevista, a 26 de outubro, em frente à câmara, "uma concentração do pessoal não docente do concelho".

A situação em Algueirão-Mem Martins "é um cenário usual em muitas escolas do concelho de Sintra", que "já tem cerca de 200 escolas sob sua gestão (desde 2009) e vai agora receber mais serviços públicos, nomeadamente as escolas secundárias", no âmbito da descentralização de competências para as autarquias, notou o sindicato.

"Estamos neste momento com um processo muito significativo de requalificação e reabilitação de escolas. Ouressa é uma das que está para entrar nesse processo, mas para além disso a escola tem um processo de manutenção regular, quer preventiva, quer corretiva", salientou Frederico Eça, do departamento de Educação da Câmara de Sintra.

O dirigente municipal esclareceu que a câmara possui um protocolo com a Junta de Freguesia de Algueirão-Mem Martins, para a manutenção dos estabelecimentos escolares, do qual faz "um balanço positivo", admitindo que "todos os dias existem questões para ser resolvidas", a reportar à junta.

No âmbito do "plano de requalificação aprovado e em concurso", para o lançamento em breve das obras, a escola verá beneficiada a cozinha e o espaço exterior, adiantou Frederico Eça.

O técnico advogou que a escola possui uma sala de refeições, "onde é desejável que toda a comunidade educativa" faça as suas refeições, mas que a gestão das instalações é feita através da direção do agrupamento.

Em relação à denúncia de falta de pessoal, Frederico Eça disse que o agrupamento Ferreira de Castro possui em termos de rácio 62 auxiliares, mas que para prevenir problemas de absentismo "estão colocados 64 trabalhadores", geridos pela direção educativa, de forma adequada até ao momento para a autarquia.

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

[sintranoticias] Zona de mato na Tapadas das Mercês voltou a arder


A pronta intervenção dos Bombeiros de Algueirão Mem Martins e do helicóptero da Proteção Civil, evitou consequências maiores, dada a proximidade de habitações

Um incêndio em terreno próximo da Urbanização da Tapada das Mercês, na Freguesia de Algueirão-Mem Martins, no concelho de Sintra, deflagrou esta tarde de terça-feira, pelas 18h00, sendo extinto, sem provocar danos maiores.
É já a segunda vez este ano, que aquele terreno baldio surge em chamas, a poucos metros do cemitério de Algueirão-Mem Martins e próximo de habitações.
Desta vez, e uma vez mais, valeu, a pronta intervenção dos Bombeiros Voluntários de Algueirão Mem Martins e sobretudo do Helicóptero, permitindo, que em cerca de 30 minutos, controlar as chamas desconhecendo-se ainda a sua origem.
Além dos Bombeiros da Freguesia, elementos da PSP também estiveram no local.

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

[sintranoticias] Comandante dos bombeiros elogia “limpeza” e “prevenção” na Serra de Sintra [video]

Joaquim Leonardo, comandante dos Bombeiros de Algueirão Mem Martins, considera que a Câmara de Sintra e a de Cascais têm feito um bom trabalho estrutural de prevenção na Serra de Sintra


O comandante dos bombeiros voluntários de Algueirão-Mem Martins defendeu esta noite, na SIC Notícias, que o forte vento de sábado foi a principal razão para a rápida progressão do fogo. Joaquim Leonardo considerou ainda que a Câmara de Sintra e a de Cascais têm feito um bom trabalho estrutural de prevenção na Serra de Sintra.
Joaquim Leonardo afirmou que o “vento foi o fator chave que originou a progressão extremamente rápida do fogo”.  O comandante dos bombeiros voluntários de Algueirão-Mem Martins lembrou que, o incêndio começou numa zona da Serra que “já está identificada como problemática”, devido aos ventos fortes e ao tipo de terreno que dificulta o combate. “Por muito bons acessos que existam, o declive [do terreno], dificulta toda a operação”, defendeu.
Joaquim Leonardo considerou que tanto a Câmara Municipal de Sintra, como a Câmara Municipal de Cascais, têm feito o trabalho estrutural da prevenção na Serra de Sintra. “Tem sido feito o trabalho de limpeza” que é possível. “Devido à boa limpeza que a zona tinha, é que provavelmente os efeitos deste incêndio não foram significativos”, sublinhou.
O comandante revelou que desde o início que o incêndio foi considerado de alto risco. Ainda segundo o responsável, logo de início, foram deslocados muitos meios para o local, tornando este combate “muito musculado”.
Joaquim Leonardo admitiu ainda que “é muito estranho um incêndio começar àquela hora, naquele local”.