02/04/2011

"Casa Okupada de Mem Martins"

Está concluído e em funcionamento o Hotel Ibis Sintra, junto ao IC19.

Este hotel foi construído num local que foi mítico e marcante na década passada, no local onde existia a famosa "Casa Okupada de Mem Martins"

Um local de culto, onde certamente muita coisa aconteceu, e muita gente terá histórias para contar. 

Tentei recolher algumas histórias sobre o local, mas a unica informação que consegui recolher, foi relativa à realização de concertos. 

Aqui deixo um "print screen" de um blog como prova da grande actividade no local (clica na imagem e tens acesso directo ao blog)


Trata-se de um excelente cartaz com bandas de culto do movimento "Punk Hardcore". 
Aqui deixo algumas fotos do local, depois da demolição da famosa casa, onde ainda são visíveis algumas marcas destes tempos...


E depois de pesquisar no Youtube, encontrei diversos filmes das Bandas referidas nos cartaz, New Winds e uma entrevista no Curto Circuito, da SIC Radical, com os Punchskulls, mas achei que a melhor divulgação/recordação da "Casa Okupada de Mem Martins", seria com uma filmagem efectuada no seu interior, no dia 11 de Dezembro de 2004. Penso se tratar da Banda SxIxCx pela informação que se encontra no filme...

E tu alguma vez foste a esta casa? Conheces histórias do local? 

6 comentários:

  1. É uma pena, nem sabia que aquilo tenha virado hotel IBIS.

    Essa zona já vinha sendo conhecida pelos hotéis de "charme" e agora mais um disfarçado.

    É pena que os responsáveis de um concelho que tem a mais bela área classificada pela UNESCO, desprezem a cultura.

    Sim Cultura, nunca o concelho de Sintra teve tanta actividade cultural como quando existia esta casa ocupada.

    Destaco os concertos de Simbiose e de Crise (quase) Total

    ResponderEliminar
  2. cheguei a ir lá algumas vezes. Tinham um sistema giro de organização entre eles, com tarefas bem definidas (tanto a nivel interno, como de organização de eventos). Tinham para além dos concertos e festas, debates e ciclos de cinema.

    ResponderEliminar
  3. Pelo que me lembro, o antigo dono não fez queixa, mas quando foi vendido o terreno ao grupo amorim, foram lá uns gorilas fazer a função da policia.

    ResponderEliminar
  4. FOI A MINHA KASA.........AGORA NEM DA PA DESCREVER.......PROCURO FOTOS MAS EM MIM TENHO PA SEMPRE A MELHOR FASE DA MINHA VIDA.....E DE TODOS OS K POR LA PASSARAM.....FILIPISSIMA

    ResponderEliminar
  5. caralho!! i lived there 10 years ago. I remember everyone, nuno, sassi, boris, filipa, monica, joana, henry the crazy and the thousands dog we had there, and anyone passing by there. muitas saudades. best days of my life!! saudades... if somenone knows anyone of the people there, please tell them "o mexicano" send his regards!!

    ResponderEliminar
  6. Pessoal, so para ajudar ai a vossa busca...os punchskulls basicamente eram outra formação dos xSxIxCx. O baterista, guitarrista e etc eram os mesmos da banda Punchskulls, mudava o vocalista e o baixo. Conheci esta malta toda, fiz parte de bandas com eles, ensaiamos muito em Queluz. Malta forte da cena QHC, chegámos a ocupar umas quantas casas, fazer manifs e acções directas de libertação animal. A KOMM era um colectivo muito bacano, não havia cá bezanas nem pancadaria nem banhadas...grande parte dos concertos eram gratuitos ou benefit e serviam para alimentar os cães e alguns sem abrigo. Quem queria comprar lá comida vegan/vegetariana comprava e era com esse dinheiro que o colectivo se organizava financeiramente, não viviam dos shows de hardcore, como por exemplo acontecia na kasa enkantada (que era uma autentica casa de chuto).
    A KOMM foi, a bem dizer, depois da enKantada, da Zarabatana e da Toca o último refúgio okupa de Lisboa e trás-me recordações muito boas. Passo lá muitas vezes ao lado do Ibis e penso, "mandaram abaixo a KOMM para construirem um antro de putedo", mas tudo na boa, para alguns cultura é amantes a 45€/noite. Mas para os que cá continuam, olham às vezes para trás a pensar se valeu a pena ao vermos as gerações de emos e putos com serradura na cabeça e chego à conclusão que sim, pois demos o melhor e no meio das ruinas erguemos arte e é isso que dá sentido à vida. Haverá sempre gente que nunca saberá o que é vê arte e isso faz parte, o importante é deixar a semente plantada, existirem relatos do que foi o underground entre 1992 e 2007 (quando os new winds arrumaram as luvas e o movimento definhou em torno do comercialismo dos posers).
    Tenho saudades destes tempos e desta malta genuina, conheci muita malta única, alguma já aqui mencionada e outros não como o gordo, break (xNxWx), joana, gunas, JP, etc nem vale a pena falar muito...as atitudes são para quem as pratica, eu deixei a minha marca na cena underground e dei de mim ao DIY. Gostava de poder ver 1/3 hoje em dia do que vi nessa altura e menos pokemon go e putos agarrados á maria e á molly...enquanto as ideias fogem todas.
    Porque o objectivo é mesmo esse, a pouco e pouco derrubarem movimentos como este e lutarem pelo controlo do carola dos chavalos, que são os consumistas do futuro, agarrados aos tlm de 1000€ e aos tenis de 250€, sem terem a minima ideia do que é fazerem algo por eles mesmos.
    UNIKO aka xKADAVERx - AmadoraXhardcore

    ResponderEliminar