26/01/2016

Autarquia de Sintra quer ver SUB de Algueirão-Mem Martins como "urgência"

Sintra, Lisboa, 26 jan (Lusa) - A Câmara de Sintra quer que o Serviço de Urgência Básica (SUB) de Algueirão-Mem Martins seja transformado numa verdadeira "urgência" do Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), defendeu hoje o presidente da autarquia.
O autarca foi recebido, recentemente, pelo novo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, a quem disse "que era importante olhar para a extensão do Amadora-Sintra" instalada na antiga Messa, onde funciona um SUB.

"Era importante, tal como tínhamos vindo a dizer ao Governo anterior, que pelo menos esta extensão fosse transformada numa urgência metropolitana, como agora se diz, no fundo fazer urgências, diagnóstico e cirurgia ambulatória", salientou Basílio Horta (PS).
Segundo o presidente da autarquia, atualmente o SUB de Algueirão-Mem Martins apenas realiza diagnósticos, quando poderia também assegurar consultas e cirurgia ambulatória, contribuindo para descongestionar a urgência do Amadora-Sintra.

"O senhor ministro disse que isso era exatamente o que ele pensava, e que ia concretizar esse objetivo", adiantou Basílio Horta, na reunião do executivo municipal.
O SUB funciona nas instalações da antiga fábrica da Messa, após um investimento do Ministério da Saúde em instalações e equipamentos de 700 mil euros, mas apenas presta assistência em casos de menor gravidade, enquanto os casos urgentes são encaminhados para o Hospital Fernando Fonseca, que abrange os concelhos de Amadora e de Sintra.
"É muito importante para nós que se concretize [essa alteração], porque é a forma de atenuar a situação no Amadora-Sintra", frisou o presidente da autarquia sintrense, considerando que a medida pode servir como alternativa a "aumentar a urgência do Amadora-Sintra, que é tecnicamente impossível".


O hospital construído no concelho da Amadora "foi previsto para 300 mil utentes, [e] só o concelho de Sintra tem 420 mil", salientou Basílio Horta.
No encontro com o ministro da Saúde, o autarca deu conta da assinatura de contratos-programa com o primeiro executivo PSD/CDS-PP para a construção de quatro centros de saúde, mas que "até agora não foram cumpridos por parte do Governo".
"Temos no nosso orçamento 2,4 milhões de euros para cumprir a nossa parte dos centros de saúde, damos as instalações e 30% do investimento", reiterou Basílio Horta, defendendo que seja lançado, pelo menos, o centro de saúde de Queluz.

Assim que o ministério assegurar a construção da unidade de Queluz, a autarquia lança o concurso para a sua construção e, "imediatamente ou pouco depois, lança a obra, que também já está feito [o projeto] do centro de saúde de Sintra, no valor de 870 mil euros, que será pago integralmente" pelo município, acrescentou o autarca.
"Não fazemos o centro de saúde de Sintra sem que o ministério dê pelo menos o centro de Queluz", vincou, notando que ainda ficam a faltar os contratos para os novos centros de Agualva e de Almargem do Bispo.

Na reunião do executivo, os eleitos do movimento independente Sintrenses com Marco Almeida alertaram, entre outras questões, para o problema do depósito ilegal de inertes na freguesia de Algueirão-Mem Martins.

Sem comentários:

Enviar um comentário