07/12/2010

"Byfurcação" sem tecto!!!!

Se a Freguesia de Algueirão Mem Martins já é bastante pobre em cultura, vai caminhando para a nulidade com o encerramento dos poucos espaços existentes. Desta vez a "Byfurcação Associação Cultural" perde o seu espaço no Floresta Center, onde nos últimos anos foram apresentados 86 espectáculos apresentados, a média é de cerca de três espectáculos por mês!

Tudo isto, porque o actual Centro Comercial vai entrar em obras a partir de Janeiro com a construção de um Supermercado Pingo Doce no Piso 0, e ocupação dos actuais espaços culturais por novas lojas.

Sinceramente fico curioso para saber qual será a resposta que a Câmara e a Junta  de Freguesia darão a este problema. Algueirão Mem Martins não tem cultura. Não tem espaço digno de representação. Não há dinheiro? Certo, mas não se pode deixar terminar o pouco que existe.
Será que para ter acesso a uma cultura activa, tenho de esperar pelos espectáculos avulsos no "Olga Cadaval" ou sou mesmo obrigado a ir a Lisboa?

A Freguesia com mais habitantes de Portugal não tem um espaço digno para os grupos culturais, e o pouco que existe é trocado por comercio, por lojas, por templos de consumo. No Chaby aconteceu exactamente a mesma coisa. E agora? Será construído um barracão igual ao espaço onde são celebradas missas? Em Portugal troca-se Cultura por Comercio...

Aqui fica o meu grito de revolta, um grito surdo certamente...

Deixo excerto do comunicado da "Byfurcação Associação Cultural" sobre este problema
 
"A partir de Janeiro próximo, a Byfurcação Associação Cultural (companhia de teatro profissional do concelho de Sintra, co-financiada pela Câmara Municipal e pela Junta de Freguesia de Algueirão-Mem Martins), ficará sem tecto.

A decisão foi-nos transmitida no final do passado mês, em reunião marcada por Carlos Pereira, Ex-Administrador do Centro Comercial Floresta Center, que apontou como fulcro da decisão do colectivo que representa, a realização de obras de expansão neste espaço comercial, nomeadamente, a ocupação, a partir de Janeiro, das antigas salas de cinema. Esta decisão foi tomada pela nova direcção do referido Shopping, devido à construção de um Pingo Doce no piso 0, o que fará com que as lojas que ocupam o referido piso se tenham de "mudar" para o piso 2, nomeadamente para o nosso espaço.

Recorde-se que, de há dois anos a esta parte, a Byfurcação vem desenvolvendo, nestas salas- com a inestimável e gratuita caução da ex-administração um trabalho persistente e continuado de acolhimento, programação e produção de espectáculos teatrais, constituindo-se, também, através da concessão de apoio humano e logístico diverso, um parceiro importante na realização de iniciativas dirigidas à comunidade local de evidente valor sócio-cultural.

No espaço de dois anos, passaram, pelas antigas salas de cinema do Floresta Center, grupos de teatro, bandas de música e associações de Sintra (Utopia Teatro, teatromosca, Byfurcação, Teatro TapaFuros, Absurdo Teatro, Espalhafato Produções, O Grito, Os Valdevinos, Dínamo, P’las Fêmeas) Lisboa (Grupo 373, Artistas Unidos, Teatro Bocage, Edipoética, Carapaus, Azeite & Alho) Torres Vedras (Companhia Marimbondo), Almada (Teatro Extremo), Seixal (AnimaTeatro) e Cabo Verde (Adriano Reis - Figura Tchyn), num total de 37 produções distintas para o público em geral e infanto-juvenil.

Estes espectáculos foram vistos por cerca de 3100 espectadores, de nacionalidades, faixas etárias e extractos sócio-económicos diversos.

Para um total de 86 espectáculos apresentados, a média é de cerca de três espectáculos por mês!

Em associação com o projecto K-Cidade (nomeadamente com a Turma de Português para Todos, da Escola Visconde Juromenha, e com o Clube das Mulheres) a Byfurcação participou activamente em iniciativas de integração social de minorias étnicas (nomeadamente a iniciativa «Tapada em Festa» e a peça de teatro «Arranja-me um Emprego», integrando actores cabo-verdianos, ucranianos, moldavos e brasileiros) que vêm elegendo a Tapada das Mercês como seu lugar de residência.

O percurso da Byfurcação, nestes últimos dois anos, tem conhecido um visível desenvolvimento mercê da colaboração que convosco desenvolvemos e, justamente, da possibilidade de usufruir de instalações próprias, fundamentais para a concentração e apuramento do trabalho, bem como, para fidelizar e criar novos públicos para o teatro, para a cultura, para a «contracena» intercultural. Desígnios que queremos continuar a cumprir e sofisticar.

Esta decisão do conselho de administração - do nosso ponto de vista, irreversível - vem por em causa a realização de diversos eventos sócio-culturais de carácter lúdico-pedagógico numa comunidade carente deste tipo de actividades, pois nenhuma das estruturas que connosco partilhava o espaço o vai poder usar.

A Câmara Municpal de Sintra está já ocorrente da situação e promete fazer o que tiver ao seu alcance para nos ajudar. Aguardamos."

1 comentário:

  1. Geralmente a solução é sempre meter um Pingo Doce em tudo o que não funciona como centro comercial, veja-se o exemplo do Fitares Shopping, que tinha tudo praticamente fechado, só funcionava o Pingo Doce. A solução passava por readaptar o Floresta Center. Em relação ao teatro, é triste o que está a acontecer. Das poucas coisas pro-activas que se vêem na freguesia. Mas se fosse uma associação cultural na aldeia atrás do sol posto, haveria de haver lá uma reportagem de um canal qualquer. Além de sermos esquecidos pela freguesia, também nos esquecemos que podemos levantar os braços e protestar com o que está mal. Sem querer repetir os exemplos, se calhar o país está a espera que aconteça como na França, Suécia, Grécia, etc, em que as pessoas se lembram de partir tudo o que vêem e pegar fogo a tudo. Se calhar um dia vão lembrar-se que os peões que moram em Mem-Martins e no país são seres humanos. Sem cultura não somos nada, apenas máquinas.

    ResponderEliminar