30/07/2017

[Correio da Manhã] Homicida da A16 foi tratado em hospital privado em segredo

Um dos responsáveis pela morte de João Carlos Silva foi atingido pelos cúmplices.
Ricardo Pinto, o ‘Gordo’, de 30 anos, um dos seis operacionais do roubo à carrinha de valores do Continente do Lourel, em Sintra, que na fuga mataram a tiro um condutor inocente em plena A16, a 28 de fevereiro de 2016, foi acidentalmente ferido pelo disparo de outro assaltante, durante o crime, e pouco depois do homicídio foi sozinho tratar-se a um hospital privado. 

Entrou no Serviço de Urgência do Hospital Cuf Descobertas e depois na Cuf Cascais – tudo sem que ninguém chamasse a polícia. Segundo a acusação, que imputa os roubos e homicídio a dez homens – seis deles operacionais –, um disparo de caçadeira que fez ricochete no alcatrão do estacionamento onde a carrinha de valores foi assaltada atingiu ‘Gordo’ nos dedos do pé esquerdo, provocando -lhe "ferimentos graves". Duas horas e meia após o roubo e a tentativa de carjacking em que foi morto João Carlos Silva, 49 anos, ‘Gordo’ entrou na Cuf. Alegou "um acidente de trabalho" – disse que se tinha ferido na pastelaria da irmã – e recebeu tratamento. Terá beneficiado do facto de ter sido atingido por chumbos de caçadeira que não ficaram visíveis no ferimento, iludindo os médicos. 

O assaltante aproveitou também para fazer uma participação à companhia de seguros Allianz a requerer que lhe pagassem as despesas médicas. Nos dias seguintes ainda passou pela ortopedia do Hospital Curry Cabral, em Lisboa, e foi a consultas e fez exames no Amadora-Sintra. Acabou preso em março passado. Na busca à sua casa, a Unidade de Contraterrorismo da PJ encontrou documentos do "acidente de trabalho": etiquetas das urgências, do dia do crime – e um escrito hospitalar que referia: "Dedos do pé, duas incidências". Despiste na fuga feriu outro assaltante 

Na fuga do Continente do Lourel, o carro com seis assaltantes sofreu um forte despiste devido ao excesso de velocidade num acesso à A16. Fábio, o assaltante que conduzia, foi com a cara ao volante e ficou a sangrar, desmaiado. 

A PJ encontrou uma cópia da folha de reclamação na busca à casa do suspeito. A acusação não refere o motivo. Terá sido apenas um pretexto para alegar, caso confrontado pela polícia, que não esteve no local dos crimes de Lourel. Perito vai depor A seguradora elaborou, no dia 22 de março de 2016, um boletim clínico sobre o "acidente de trabalho". Um perito é indicado como testemunha pelo Ministério Público para o julgamento. Evitou urgência pública ‘Gordo’ evitou as urgências de um hospital público, que têm postos da PSP e, de imediato, seria chamada a PJ. O CM colocou ontem questões ao Grupo Cuf, que remeteu para o dia de hoje os esclarecimentos.

Ler mais em: 
http://www.cmjornal.pt/exclusivos/detalhe/hospital-privado-trata-homicida-sem-a-policia?ref=Mundo_BlocoFimPagina

Sem comentários:

Enviar um comentário