12/02/2013

"Tapada das Mercês"

A Tapada das Mercês é provável um dos piores projectos urbanísticos da área metropolitana de Lisboa dos últimos 30 anos. A empresa "Cintra - Urbanizações, Turismo e Construções, S.A", foi a responsável pela urbanização, e pela destruição de toda a macha verde que existia neste local, e que pertenceu durante muitos anos à família de Sebastião José de Carvalho e Melo (Conde de Oeiras e Marquês de Pombal)


Nos dias que correm, junto à Capela de Nossa Senhora das Mercês e da propriedade histórica, ainda existe um pequeno espaço verde, que faz recordar toda a antiga encosta. Como era prática nos anos 80, um incêndio floresta, foi o ponto de partida para a conversão do espaço.

Assim, provavelmente inspirados na ganância do betão, que toda a linha de Sintra foi alvo no pós-25 Abril, os prédios substituíram o verde, e cresceram, na minha opinião, de uma forma descontrolada e longe de boas normas urbanísticas, numa encosta com algum declive.

As primeiras Torres a ser construídas prometiam um urbanismo menos denso e mais espaço público.


A antiga estação de comboios, que diversas vezes foi premiada pela CP pelo seu aspecto cuidado, foi demolida. 
O Centro Comercial das Mercês, na torre em frente à estação nunca funcionou, nascendo mais tarde num edifício próprio o Floresta Center, com uma árvore de pássaros que falavam...


Passados todos estes anos, a Câmara Municipal ainda não tem total poder sobre um espaço público pouco qualificado, degradado e com ausência de espaços verdes. O excesso de construção criou problemas nos acessos de emergência, à noite e fins de semana, para bombeiros.


E como prova do abandono, na actual revisão do PDM, a Tapada das Mercês foi totalmente esquecida e ignorada por parte das entidades municipais. Será que ninguém tem ideias para tentar corrigir os problemas existentes nesta zona da freguesia de Algueirão Mem Martins???


 Aproxima-se as eleições autárquicas, devem estar a chegar mil promessas e soluções milagrosas...

9 comentários:

  1. não sabia que havia este blog ...
    Achei um espaço interessante e bem precisa de apoios para Algueirão-Mem Martins , já não falando da Tapada das Merces

    ResponderEliminar
  2. Muito bom, parabéns pelo blog e pela iniciativa de demonstrar a realidade esquecida que a Camara de Sintra tem feito por esconder, ano após ano.

    ResponderEliminar
  3. A Tapada é uma questão politica. A Câmara de Sintra ainda não tomou posse desta urbanização porque vivem na Tapada cerca de 20 mil pessoas e "tratar" desta terra significa gastar muito dinheiro em arranjos de espaços verdes, infrastruturas sociais, etc. O sr presidente nada fez e deixa a Câmara com a promessa que deu 5 anos aos construtores Cintra para terminarem o projecto, mas sabemos que eles abriram falência, por isso esta conversa é para boi dormir e empatar mais um pouco. Se eu fosse autarca, colocaria o meu cargo á disposição pela vergonha que sentiria por deixar um terço da polpulação da freguesia ao abandono. Ali tudo acontece. O sr presidente da Junta de freguesia de Mem Martins afirmou recentemente na escola dos Castelinhos que ao abrigo dos acordos internacionais de ajuda humanitária a Câmara da Amadora compra, ali, apartamentos para colocar emigrantes refugiados de africa e outros destinos. Na Tapada tudo é consentido com a assinatura da Câmara de Sintra que deverá ter interesses financeiros nesta decisão. seria tudo excelente se a Tapada tivesse infrastruturas para receber estas pessoas, que ao chegarem amontoam-se em apartamentos com colchões a fazer de camas e sem trabalho e ocupação, sobretudo os mais jovens, acabam por entrar no vandalismo, e criarem grupos que não tem futuro e criam insegurança na população residente. Vivem mais de 20 raças diferentes nesta urbanização, muitas apoiadas pela K Cidade que é uma organização de integração das populações que funciona por todo o mundo, de origem muçulmana. Este organismo ou associação ajuda familias emigrantes, com alimentos, cursos, roupas, etc e tem o apoio da Câmara de Sintra. Pergunto porque é que outras câmaras como Oeiras e Cascais não aderiram aos mesmo programas de receber população emigrante e são todos canalizados para a Tapada? A resposta parece-me obvia, uns protejem os cidadãos evitando que se degrade as suas condições de vida, outros, para fazer bonito e por interesses sabe-se lá quais, estão se nas tintas para issso. Acho que devemos ajudar quem vive em paises pobres, mas é preciso haver condições para os receber e não depositá-los como "lixo" em sítios que estão "abandonados" á muito tempo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. concordo plenamente,e esta na hora da camera de sintra fazer alguma pela tapada das merces ,nao e so quer os nossos votos e impostos .Ou e so para isso que servem os moradores de resto somos lixo?

      Eliminar
    2. forca pessoal facam estes politicos ter vergonha na cara e vamos todos para a televisao denunciar o que eles fazem pela tapada das merces que e NADA/VEZES/NADA,NADA

      Eliminar
  4. Que a Tapada é um aborto urbanístico, todos sabemos. Que resulta de um conluio corrupto entre a Câmara e a supracitada empresa ou sociedade (a tal Cintra qq coisa...), também sabemos. Que a falência desta empresa apenas deve ter afectado os seus funcionários "base de gama", pois os administradores devem ter enriquecido bem, pondo o dinheiro da venda dos apartamentos "ao fresco", também não será difícil de deduzir. O que me custa mais aceitar é que se esta banhada urbanística tivesse sido construida nos arredores de uma qualquer capital de um qualquer país civilizado, provavelmente não se teria vendido um único apartamento e a falência da referida empresa teria acontecido logo no ínicio do processo afectando aí sim, os corruptos que a administravam. Custa-me a aceitar que haja da população em geral uma tamanha falta de sentido crítico que faça as pessoas comprarem casa apenas porque tem lareira, uma casa de banho com hidromassagem, etc, e não percam um momento a reflectir sobre a zona que envolve a sua casa e se um dia as suas crianças serão felizes num aborto urbanístico destes. É a eterna história da pescadinha de rabo na boca. Os empreiteiros e as câmaras têem culpa sim. Mas, para mim, quem lá comprou casa também tem culpa e também contribuiu para a engrenagem deste sistema corrupto.

    ResponderEliminar
  5. Concordo inteiramente com o comentário em cima do Bife. Poderia ter sido eu a escrever. Mas também é verdade que passados estes anos todos já era tempo de remediar a situação da tapada. Porque resolver neste momento já é algo praticamente impossível, só mesmo com demolições.

    ResponderEliminar
  6. Estive a ler os comentários anteriores, e nem sei o que responder. Então agora quem compra casa aqui é culpado? Haja consciência no que se diz... então as pessoas viram o projecto, viram maquetes, foram prometidos espaços com bombeiros, saúde, igreja, e agora as pessoas que foram para lá viver, são culpados? Não acham que estão a falar de barriga cheia? Tenham paciência, mas quem acusou a população de ser culpada, é ignorante. Perdeu uma oportunidade de estar calado.

    ResponderEliminar
  7. Soube à pouco que a CMS ainda não tomou posse da urbanização da Tapada das Mercês, aliás como refere alguém mais acima. Mas o que é que isso quer dizer exactamente ?? alguém sabe ou pode explicar. É que me recorde a CMS recebe IMI, derrama, IRS, etc... (http://www.cm-sintra.pt/Anexo/634584219873537500Tabela%20de%20Taxas%202012.pdf) de todos os proprietários em Sintra sem discriminar !! Estão os habitantes da TDM a pagar o quê afinal ??

    ResponderEliminar