07/05/2017

GROGNation // Nada É Por Acaso [video]

O provérbio diz-nos que não devemos julgar um livro pela sua capa; é que a densidade do que vemos esconde-se por trás de camadas infinitas de significados que podem não ser óbvios. Na sua estreia em formato longa-duração, os GROGNation deixam bem claro que Nada é Por Acaso e entregam ao mundo um disco que tem tudo aquilo que as expectativas à sua volta prometiam. Mas o alto valor da oferta pode não ser imediato para os mais desatentos.

Errado estás, se pensas que te trago certezas,
Quando a única certeza que trago é que nada é garantido…
Ficam, então, por saber as questões em questão O porquê, que é só teu, e só tu sabes a sua razão
Por detrás desse porquê, encontrarás a tua missão.
Não te perguntes “porquê eu?”
Pergunta antes “Por que não?”
As palavras chegam aos nossos ouvidos pela voz de Cláudia Cadima, experiente actriz de quem muitos reconhecerão a voz de longíquos desenhos animados. Podíamos começar pelo início da jornada, que também chega pelo mesmo tom delicado e leitura cuidada, mas estes versos pareceram mais acertados. Afinal, é sobre esta relatividade da existência humana que assenta grande parte da narrativa do registo. Como já explicou Papillon ao ReB, neste mundo “cada um tem a sua verdade” e era isso que o quinteto se propunha a retratar. Será que conseguiram estar à altura do desafio?

A capa serve de bilhete. De frente, em jeito descontraído, os cinco grogs enchem o carro e deixam adivinhar uma viagem longa. Depois de um início que incita à reflexão, ajudado pela doçura familiar de Cláudia Cadima, o verdadeiro arranque é um choque frontal com um dos temas mais bem conseguidos. “Corta essa merda e deixa ir ao fundo” – são as “Ankuras” que se cortam para que o barco possa ir a algum lado. De fundo, um instrumental relativamente simples, produzido por NastyFactor, marca a cadência entre os estibordos e os bombordos desta vida. O carro arrancou, o barco arrancou, e os grogs dirigem-nos pelo seu caminho confiantes.
Do amor à corrupção, a maior parte do que cantam e rimam cresce à volta da ideia de que são os infortúnios e as coincidências das estradas que cada um percorre que nos tornam quem somos. O passo segue num ritmo constante, entrecortado por refrões suficientemente orelhudos para agarrarem ouvidos menos diligentes. Ainda assim, é de notar que, por cima de uma produção tão refinada, os versos se desenhem quase sempre com palavras cruas, mas isso é parte da magia. Não há muitos artistas que consigam dobrar barras pesadas com linhas melódicas de toque subtil, mas os GROGNation conseguem. “Lágrimas” é, provavelmente, o melhor exemplo deste engenho.
Numa espécie de golpe estratégico do colectivo, é difícil destacar uns temas em detrimento de outros. Nada foi, efectivamente, deixado ao acaso e consistência parece ser a característica mais óbvia do álbum. Nem o instrumental de Sam The Kid, em “Circo”, desequilibra o ramalhete. Cada peça aparece no sítio certo (“$em Avi$ar”) cada estalo da realidade chega na medida exacta (“Voltaren//Nada Sei”), e parece que tudo se alinha para abrir espaço para novos hinos (“Vou na Mema”).
Os GROGnation são especiais. A maneira como atacam instrumentais e articulam barras a dez mãos exige um equilíbrio que só está ao alcance de alguns. Apesar de poderem afinar algumas métricas aqui e ali, estão oleados como poucos e preparados para assinar o futuro do hip hop nacional a tinta permanente. A produção polida e os esquemas rimáticos bem afinados põem o grupo num campeonato reservado a talentos maiores. Não fossem os palavrões constantes e seriam, certamente, a maior promessa do movimento a apontar ao mainstream – capazes de movimentar multidões a cantar bem alto.
Nada é Por Acaso pode não ser um álbum perfeito, mas é um registo obrigatório para perceber a força do hip hop nacional em 2017. E fica desde já o aviso: não se estranha e, além disso, entranha-se. E bem.

Sem comentários:

Enviar um comentário