16/09/2013

Reportagem RR - Algueirão Mem Martins

Largo da Estação - Mem Martins

Aqui deixo o registo de uma reportagem emitida na Radio Renascença sobre as eleições autárquicas em Sintra, onde se dá grande destaque à freguesia de Algueirão Mem Martins.

Como sempre, a vila é classificada com uma zona sem qualidades, onde nada melhorou nos últimos anos, a queixa é generalizada... parece que aqui tudo é mau, mas a verdade é que o tempo passa, e não se sente esforço nem dedicação para que imagem da vila melhore... 

Reportagem Completa RR (clica)
(nota: penso que Algueirão Mem Martins não será a freguesia com maior densidade populacional, mas é certamente a maior freguesia de Portugal, em numero de habitantes)

Em baixo, parte da reportagem sobre Algueirão Mem Martins
video

3 comentários:

  1. Tenho pena que sejam referidas essencialmente coisas más...

    Gosto de morar por cá....

    ResponderEliminar
  2. moro em mem martins desde 96 e melhoras não existem e quem cá mora bem vê isso não sejam hipócritas há mais assaltos, os impostos são dos mais altos, a agua alem de ser das mais caras também e intragável, o constante cheiro a esgoto nas casas, não há parques nem para descanso nem para crianças, não há espaços verdes com um borrifo aqui outro alem, não há policias nem vê-los, se alguém quiser fazer passeio para manter a forma e melhor esquecer, feira só nas merces e nem sequer existe um mercado para vergonha da cara de quem diz que e o melhor e fala bem de sintra só cá deve vir como turista...

    ResponderEliminar
  3. Eu estou nesta freguesia desde 1998. Tenho 24 anos pelo que passei a adolescência toda por aqui. Lamento que as mudanças tenham acontecido sempre de forma muito lenta: as obras que agora conhecemos (requalificação da estação, o túnel de Ouressa, requalificação das escolas Mestre Domingos Saraiva e Juromenha) aconteceram perto de novas eleições. Os transportes públicos rodoviários são entregues por concessão a uma empresa sanguessuga. No "meu" bairro, da Coopalme, VI, assaltos, ameaças entre moradores, destruição dos espaços, por exemplo, como se aquela zona fosse um ponto fora do Mapa. Ali nunca vi o Sr. Cabo passear-se. Ali só vi a polícia passar de carrinha, sem policiamento de proximidade, ali não há campanha eleitoral: os carros passam de facto com os microfones, mas a mensagem desaparece tão depressa que quando vou até à janela não há nada. Nada é também o existe de espaços verdes. Para os "índios" deverá bastar o mato. E naquele dormitório os impostos pagos por mim e pelos meu pais não devem ser iguais aos outros. Mas ainda assim há gente que cresceu ali. Eu licenciei-me e, cheio de esperança e ingenuidade, submeti um email a "pedinchar" um estágio na minha Junta. Até podia não ser remunerado, só queria experiência. A resposta que obtive do próprio Sr. Cabo (e guardei o email como recordação) foi que não me podia aceitar "por falta de um espaço e de secretária". Enfim, entristece qualquer jovem perceber, muito com a ajuda deste blog, o que foi esta freguesia e o que se tornou. Infelizmente, caminha para uma espécie de motel fantasma.

    ResponderEliminar