20/06/2016

[Hipersuper] Espanha e Brasil na mira da retalhista portuguesa Topsndolls

A Topsndolls é a “segunda cadeia organizada” de revenda de produtos para criança a instalar-se no País, mas o primeiro conceito “100% português”. A rede de ‘franchising’ nasceu no Porto e tem como um dos objetivos a internacionalização.

Em Mem Martins, na Av. Chaby Pinheiro nº26
Foi para preencher a lacuna de revenda de artigos de criança que nasceu em 2009 no Porto a retalhista de revenda de produtos para criança Topsndolls que conta com cinco lojas, situadas no Porto, Vila Nova de Gaia, Oeiras, Odivelas e Mem Martins.
Esta é a “segunda cadeia organizada” em Portugal que vem dar rendimento aos pais pelos artigos que os filhos já não podem usar. Ao contrário da cadeia Kid to Kid, conceito que foi importado, a marca é totalmente portuguesa e com objetivos de alargar a mais geografias. Daí a escolha do nome em inglês.

“Revenda é consequência do consumo”
Este nome varia da conjugação das palavras “tops” (peões) e “dolls” (bonecas). Foi inspirado num livro sobre uma história, que se passa entre a Idade Média e o princípio do Renascimento, em que as meninas brincavam com bonecas de trapos e os meninos com peões”, explica em entrevista ao HIPERSUPER Sérgio Carvalho, ‘master’ da insígnia. “Decidi investir neste negócio porque vi uma oportunidade no mercado de reutilização, já que não faz concorrência ao mercado de produtos novos. É uma consequência de haver consumo de artigos novos”.
Para arrancar com o projeto, investiu há sete anos “cerca de 75 mil euros” na abertura da primeira loja, a única própria que detém. As restantes são franchisadas. “Como as rendas baixaram, neste momento investir num ponto de venda da marca ronda os 50 mil euros. Os promotores do negócio começam por ser clientes e depois decidem abrir uma loja. Mas, para isso, têm que respeitar várias condições. Uma delas é serem eles próprios funcionários da loja. Este negócio dá muito trabalho e precisamos de investidores dedicados”, sublinha.
As cinco lojas têm em média 200 metros quadrados e expõem “mais de cinco mil artigos” cada. As roupas e o calçado representam “75% do volume de negócio” da cadeia, que abrange também a puericultura – pesada e leve – e brinquedos. O ‘stock’ é acumulado ao longo do ano em armazém, através das mães e pais que ali deixam os artigos que já não servem aos filhos, com idades entre os 0 e os 12 anos. São avaliados através de um sistema informático comum a toda a rede, que calcula o valor consoante a informação submetida sobre o estado do produto. Depois seguem para os lineares com preços “entre 50% a 60% mais baixos do que produtos novos”. Reparações não são feitas mas “por vezes, investimos no acondicionamento para acrescentar mais valor a certos bens”, diz o ‘master’.

Clientes reciclam cada vez mais
Temos clientes que só vendem, outros que só compram e cada vez mais temos pais que reciclam”, conta Susana Pereira, responsável da loja instalada em Oeiras há dois anos. “Quando vêm vender os artigos, oferecemos a possibilidade de cobrar 25% do valor em crédito na loja. Muitos pais vêm vender o que já não serve aos seus filhos e acabam por preferir ficar com a bonificação para levarem artigos da idade pretendida. Cada vez mais temos pessoas a aderir a este conceito de reciclagem”. Quanto à puericultura pesada (carrinhos, mobiliário, berços, cadeiras, entre outros), os artigos podem ser comprados à consignação, sendo que o cliente fica com 50% do valor quando o produto é vendido.
“Regra geral, cada loja tem os seus próprios clientes e vendedores, apesar de trocarmos produtos entre lojas quando há excesso numa e escassez noutra. A procura por certos produtos também obriga a que por vezes tenhamos que comprar artigos novos. Por exemplo, na loja de Oeiras as camisolas de gola têm muita saída, sendo que não temos resposta e acabamos por comprar”.
Expandir para Espanha e Brasil
Atualmente, o ‘master’ da insígnia está a analisar novas aberturas “na região da Grande Lisboa e do Grande Porto” mas só anunciará “quando estiverem de contrato assinado”. Além disso, a Topsndolls, que adotou esta designação com vista à internacionalização, pode-se instalar “a qualquer momento” no país vizinho, por via de ‘franchising’. “Neste momento, andamos com contatos em Espanha e interessava-nos também o Brasil. Estamos a fazer alguma divulgação nesse sentido”, revela Sérgio Carvalho.


Em 2015 a insígnia faturou “à volta de 800 mil euros em termos globais”, uma “ligeira subida” face ao ano anterior, e prevê uma evolução de entre 10% a 15% para este ano.

Sem comentários:

Enviar um comentário