12/07/2009

IC30 no final de Setembro

As obras do IC30 avaçam a bom ritmo, estando prevista a abertura desta nova Autoestrada para 30 Setembro (obviamente no período das eleições).

Esta autoestrada faz a ligação entre a A5 em Alcabideche, junto ao novo Hospital de Cascais, e a CREL em Queluz. É classificada com alternativa ao IC19, mas confesso ter algumas duvidas relativamente a isso. Penso que só o tempo o dirá.

Esta Autoestrada terá um politica diferente relativamente ao habitual método de cobrança de portagens, pois em toda a sua extensão existirão 3 praças de portagem, uma no Linhó, outra na Barrosa e finalmente na chegada à CREL, em detrimento das habituais portagens no nós de acesso.

Será concesionada, tal como o IC19 à Aenor.

Penso que a boa noticia para a freguesia de Algueirão - Mem Martins, é o facto de se poder continuar a entrar no nó da Cavaleira, vindo do IC19, sem ter de se efectuar qualquer pagamento, no entanto quem quiser usar esta via em direcção a Cascais ou em direcção ao Cacem, já terá de pagar portagem

Fazendo uma analise à rede viária, esta nova estrada pode ser considerada como uma circular à freguesia, podendo se circular em seu redor desde S.Carlos até à zona do Telhal.


3 comentários:

  1. E qual o valor das portagens? Onde poderemos saber essa informação?

    ResponderEliminar
  2. Defino a construção desta auto-estrada como uma frase simples: Uma forma de gastar dinheiro à parva.

    Alternativa ao IC19 não é argumento para definir a função desta autoestrada. Mal havia necessidade de se fazer uma via com a envergadura prevista para ela. A continuação do IC30 era suficiente mas decidiram fazer autoestrada para poderem cobrar portagem. Decidiram encher ainda mais os bolsos das construtoras e a construir uma via com uma envergadura absurda, tendo em conta que cada km de autoestrada custa entre 3 e 5 milhões de euros a construir se não for mais. sinceramente esse dinheiro não seria mais bem gasto noutras coisas? O segmento do IC30 estava em excelente estado de conservação e a sua dimensão era mais que suficiente em termos de capacidade, em vez de o continuarem decidiram refazer por completo sem necessidade nenhuma. Ainda por cima, quem mais facilmente a utilizará serão os moradores das redondezas do concelho. Pelos vistos não basta pagar impostos para ter as estradas locais e municipais alternativas todas feitas num 8, é preciso também financiar autoestradas e ainda pagar para poder andar nelas porque as alternativas não prestam ou estão sobrelotadas...

    O objectivo não é desmotivar a utilização excessiva do automóvel em prole dos transportes públicos certamente. A mim parece que querem é incentivar ainda mais o seu uso, mas a pagar. Agora, com esta nova via, a Camara de Sintra já deve reunir um conjunto de condições propícias para justificar a criação de novos bairros nas redondezas do concelho. Veremos se estou errado, mas cheira-me que os patos bravos já começam a encontrar novos locais para destruir.

    Já agora deixo também a nota. Depois da pouca vergonha que foi o pântano na Rua Santo Estevão, já devem ter começado a construção do edifício por cima do pântano. Incrível que depois da polémica, insistam em construir ali, desviando o curso da linha de água... E os putos que ali moram, continuam a jogar à bola no meio da rua. Quais espaços verdes quais equipamentos, qual quê, interessa é construir prédios e autoestradas com portagem a passar ao lado das casas. Isso é que são as prioridades da CMS, e as suas preocupações com a qualidade de vida dos habitantes? Ou as pessoas se começam a mexer de uma vez por todas e a exigir aquilo a que têm direito, ou além de estarmos a viver sempre na mesma situação, as coisas só vão piorar. Em 100 mil habitantes, não acredito que não haja ninguém que não tenha umas palavras a dizer à câmara...

    ResponderEliminar
  3. Já ouvi dizer que de Mem-Martins até Massamá são 1.5 Euros. Confirmas Nico?

    ResponderEliminar