12/06/2015

[Publico] Grognation: Mem Martins é mesmo bom

 noticia do Jornal Publico de 12 de Junho de 2015

Como é tradição nos colectivos de hip-hop – dos Wu Tang-Clan aos Odd Future –, os Grognation projectam efectuar lançamentos em nome do colectivo e outros assinados individualmente. É assim que António Silva (Factor ou Nasty Factor), Rui Pereira (Papillon), Tiago Gomes (Prizko), Harold Tembe (Tem-P) e André Gomes (Neck) vislumbram o que fazem, atropelando-se a falar de Mem Martins, que também costuma estar presente nas deambulações líricas do grupo.

Como outros projectos semelhantes, os cinco conheceram-se na escola e, motivados por alguns gostos comuns, começaram a criar música no quarto de Factor, tendo concebido temas e duas mixtapes para consumo digital. Mais do que uma afinidade quase familiar, o que os uniu foi o pragmatismo, essa ideia de que seria mais fácil chegar a algum lado em grupo. “Cinco cabeças funcionam melhor do que apenas uma em termos de comunicação”, resume Factor, “por isso resolvemos aliar-nos. Por isso e porque temos os mesmos ideais e gostos comuns dentro do rap”.
Mais do que uma afinidade quase familiar, o que uniu os Grognation foi o pragmatismo, 
essa ideia de que seria mais fácil chegar a algum lado em grupo NUNO FERREIRA SANTOS
Estão juntos há quatro anos, sentem que a Internet foi essencial na sua difusão, e um dos aliados tem sido Sam The Kid, que produziu o primeiro EP e também terá essa função no álbum que estão a projectar. Conheceram-no depois de terem lançado a primeira mixtape e de distribuírem flyers em festas de hip-hop onde divulgavam a sua página de Facebook. Aliás, sentem que se têm tido alguma projecção, em parte devem-na também ao facto de terem sido acarinhados por figuras mais adultas do hip-hop como Bob da Rage Sense. “Ele foi um dos primeiros a estar connosco e a dizer-nos para termos confiança no que estávamos a fazer, o mesmo acontecendo com o Sam The Kid, o Valete ou o D-Mars. Em grande medida foi a partir daí, com esse reconhecimento, que começámos a ser seguidos.

Na postura dos Grognation não se vislumbra um cunho político, uma tentativa de afirmação identitária ou uma vertente mais lúdica. Não são fáceis de enquadrar. Optam por dizer que são um pouco disso tudo. “Temos algumas letras socialmente conscientes, um pouco de Valete e de Sam, um pouco de rap americano, mas também qualquer coisa de angolano. Não espelhamos um único tipo de influências, tentamos adoptar várias perspectivas”, refere Pappilon, assumindo que o rap está hoje mais electrónico do que há uma década, quando a utilização de samples dominava.

Recentemente estiveram presentes no festival O Hip-Hop Sou Eu, no Coliseu dos Recreios em Lisboa, ao lado de Sam The Kid, Mundo Segundo ou Jimmy P, mas também de representantes das gerações mais novas como MGDRV, Plutónio ou Bispo, e acreditam que a cultura popular em Portugal se orienta cada vez mais para o hip-hop. E não só. O facto de a kizomba e o kuduro terem também grande protagonismo hoje em dia ajuda também, ainda que de forma indirecta, ao crescente interesse à volta do hip-hop. “O hip-hop sempre foi autónomo dessas movimentações e continuará a sê-lo”, reflecte Prizko, mas o “facto de haver muita gente a ouvir kizomba com influências de R&B, por exemplo, vai originar que algumas pessoas se interessem por outros géneros. Existe uma grande fusão e isso é bom”.

Os Grognation agradecem o apoio de figuras mais adultas do hip-hop 
como Sam The Kid ou Bob da Rage Sense NUNO FERREIRA SANTOS
Nesta fase, os Grognation ainda não conseguem viver da música. Uns trabalham, outros estudam. Mas todos possuem o desejo de profissionalizar a sua actividade. Os olhos brilham, entre a esperança e o sentimento de dificuldade, quando falam disso, ao mesmo tempo que vão enunciando os nomes daqueles que acham que já alcançaram esse patamar: “O NGA, o Sam, o Valete, a Capicua, agora, talvez. Não é fácil.



Quem tem estado de olhos neles é Fred Ferreira (Orelha Negra, Banda do Mar), de quem os Grognation falam com entusiasmo e admiração, e que pretende lançar uma plataforma editorial conectada com novos valores do hip-hop e tudo à volta. Matéria prima parece não lhe faltar. 

2 comentários:

  1. Parabéns, continuem, força , vão em rente

    ResponderEliminar
  2. Parabéns, continuem, força vão em frente !!!!!!!

    ResponderEliminar